terça-feira, 18 de outubro de 2016

Os três mistérios

Vida, morte e amor
Ninguém consegue definir esses três mistérios. Será que é bom que fique assim pra sempre?
Se nos fosse revelado, ficaríamos felizes? Como reagiríamos?
O amor que deveria curar, quando é incompreendido ou não correspondido, só fere. Falta de compreensão da totalidade desse sentimento.
A vida é compreendida e vivida nuns poucos dias, resumindo a uma vida inteira, eu diria horas.
A morte nunca foi bem aceita. Até pra quem acredita em vida após a morte, sofre quando a hora chega, sofre quem fica e quem vai. Todo mundo sofre. Até quando amamos a vida ou quando amamos alguem, sofremos. Às vezes me pergunto se a nossa vida não se resume a aprender sobre a dor. Pode parecer pessimista, mas se soubéssemos lidar com a dor melhor, grande parte da vida seria mais vivida. Se fôssemos completos no amor, na morte e na vida, soubéssemos suas finalidades, talvez agiriamos de outra forma. Por mais que não concordássemos com o propósito, mas é difícil discordar de algo que não se têm a menor idéia do que seja. Se me for revelado em vida qualquer um dos 3 eu juro que me mato. Se sem saber o que são esses mistérios já vivo assim, imagina sabendo.
Talvez seja essa a santíssima trindade dos humanos.
A vida, a morte e o amor, são um só. Não há vida sem morte, nem qualquer um dos dois sem amor. O amor é o que os une. Mas também não há amor sem vida e consequentemente sem morte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

alguém importante comentou